Dior

PARIS FASHION WEEK | DIOR

Olá amores! Começando mais um conteúdo sobre o Paris Fashion Week

A Dior nunca nos decepciona, e desta vez trouxe um desfile marcante no Palácio de Versalhes, em um dos cômodos mais famosos, a “sala de espelhos”. A Coleção Outono/Inverno 2021 de Maria Grazia Chiuri, passou o conceito de ser um verdadeiro “Conto de Fadas” no estilo gótico e noir. O uso dos espelhos parece familiar à uma história de contos de fadas onde existe um espelho mágico? Acho que sim!

A escolha do local, foi pensado para refletir o movimento feminista. Maria Grazia Chiuri, diretora criativa da Dior, trouxe como tema principal a autoimagem e aceitação da mulher nos tempos modernos. Discursos extremamente importantes para o cenário da moda, que vão do body positive ao antirracismo.

O desfile trouxe elementos que se destacam, como: renda, tule, tecidos mais grossos com bordado e peças únicas. As cores branco, preto, azul e vermelho também foram destaque. A modelagem e o corte das peças lembram vestimentas de princesas, como o uso da gola com colarinho fechado. Esse tipo de uso da gola já foi visto como algo passado, mas voltou a ser tendência nos últimos anos. Eu mesma, adoro!

Os looks da Dior, são compostos de peças que funcionam bem separadamente, desde as saias rodadas até as camisas de manga curta. A temática “punk romântica” conseguiu entregar imaginação e muitas referências, desde as histórias de princesas, até a dura realidade dos dias atuais.

O desfile da estação foi ainda mais especial e emblemático, por ter sido realizado no Palácio de Versalhes. Todos os looks ficaram perfeitos e eu usaria cada um deles. Eu adorei cada detalhe.

Em breve volto com mais conteúdo sobre o PFW!

Compartilhe

PARIS HAUTE COUTURE 2021 |DIOR

Hello, hello meus amores, como vocês estão?

A Paris haute couture começou essa semana, e já cheguei pra mostrar pra vocês um dos meus desfiles favoritos. Como já falamos aqui antes, nessa semana de moda está proibido a presença de plateia durante as apresentações, então as novas grifes capricharam na criatividade nas peças e no show.

A Dior foi a quinta marca a desfilar com sua coleção de primavera/verão 2021, e mergulhou na magia já característica da marca, sendo inspirada pela superstição do Monsieur Dior que tinha o hábito de tirar suas cartas de tarô antes de apresentar suas coleções, e desenvolveu esse magnífico show.

Essa nova coleção foi construída com inspiração na beleza misteriosa do tarô, e teve suas referências tiradas das cartas mais antigas do mundo: AS Visconti-Sforza, que foi desenhada pelo artista Bonifacio Bembo para o Duque de Milão em meados do século 15.

Esse universo místico criado por Maria Grazia Chiuri ganhou vida com peças que possuem o equilíbrio perfeito entre o feminino e masculino, com conjuntos de alfaiataria, e vestidos de gala que fazem grande alusão aos modelos aristocráticos dos séculos passados.

Riquíssima em detalhes, os vestidos dessa coleção trazem ilustrações de Pietro Ruffo, enquanto as demais peças trazem muitos jacquards, lamês de seda, tecidos pesados, mangas volumosas, dourado e bordados.

A coleção foi apresentada através de um filme mágico chamado de Le Château du Tarot, e foi dirigido pelo diretor italiano Matteo Garrone, e conta a história da protagonista em seu vestido gracioso, explorando um castelo cheio de misteriosas cartas de Tarot.

Assista o filme, e se maravilhe:

Beiiiiijooos

Compartilhe

DIOR | PARIS FASHION WEEK

Oi Oi meeeus amores!! Como vocês estão?

Estamos em temporada de Paris fashion week!! E estou super ansiosa pra dividir as próximas tendências com vocês.
A primeira grife que já deu no que falar aqui em Paris foi a Dior, e meu deus, a coleção veio completamente poética.

Maria Grazia Chiuri, a diretora criativa da Dior foi genial, uma das primeiras grandes marcas a terem desfiles presenciais para inspirar que independente de tudo que passarmos a moda pode se adaptar. E foi nesse mesmo ritmo que a coleção foi desenhada.

A afirmação “Cortar é pensar” foi a diretriz que guiou essa coleção que foi pensada para libertar a forma. Chiuri foi muito inteligente e fez uma coleção cheia de fluidez que expressam a liberdade da visão de corpo que vemos na sociedade atual.

Expressando muito conforto e estilo, as peças apresentadas no desfile traziam modelos soltos ao corpo, com tecidos leves e fluidos como a musselina de seda em vestidos com as costadas decotadas e detalhes em bordado florais.

Outra aposta da coleção foram as camisas masculinas que se tornaram peças overall, usadas combinando com shorts ou calças, e até maxi casacos.

Chiuri foi muito criativa e dedicada aos detalhes, todas as peças tinham o sua assinatura que as tornavam únicas. Ela apostou bastante em Patchwork, bordados incríveis e em colagem, que é uma técnica de tecelagem indonésia, que me encantou o coração, e deixaram as peças com um ar super boêmio.
Além do mais, trouxe tudo o que a gente ama, a cor azul super forte em diversos tecidos, estampas em cashmere, muitas listras e padrões florais.

Mas a novidade real desse desfile foi a nova versão da Bar Jacket, que foi inicialmente desenvolvida por Christian Dior em 1957 para uma coleção feito no Japão e virou uma peça clássica da marca. Nessa nova versão ela segue a premissa da coleção, saiu do estilo apertado e rente ao corpo para um corte mais folgado e maxxi, que dá a oportunidade para a mulher modelar como quiser com um cinto, faixa, ou como preferir.

E ai? Quais foram suas peças preferidas?

Beeeijoos

Compartilhe