MODALISBOA: day 3

Nuno Gama, mais uma vez na minha lista favorita de desfiles do Moda Lisboa.

Mutante, sua coleção para o out/inv 19-20.

Numa viagem aos anos 30, Nuno reconstruiu o look formal de lãs rústicos para a grande nobreza em justaposições obrigatórias de 3 peças. O sobretudo, camisa de colarinhos redondos, ora com lacinho gravateiros ou abertas. A calça curta, mas mais direita. A boina traz de volta o “pintas” com tanto de naif como de estiloso.

Casacos mochila tem destaque nessa coleção, simbolizando o que carregamos no dia a dia. Criando um look mais casual em que a gola alta continua com tudo, acompanhado de um confortável sneaker (que volta com tudo nessa estação).  Confiram:

 

Gonçalo Peixoto, fundador da marca feminina com o seu próprio nome. Traz nessa estação uma coleção rica, com os desejos das mulheres, aquilos que elas querem e o que pensam, no mundo moderno e sobre a mulher moderna. Mostrando o sentido da vida através de seus looks. Silhuetas desconstruídas e apropriadas pelo streetstyle, assumem um desafio no que diz respeito a uma reinterpretação dos clássicos intemporais.

Podemos ver muito babados, manga bufante e tons de laranja, verde e roxo. Confiram:

Olga Noronha, vem com sua coleção FLOURISH. Mostrando o ser de uma mulher moderna, representado através da dança de das flores, como representação sexual que revelam o estado de alma e de identidade de cada uma.
Sua paleta de cores é o nude e cinza escuro. Nas passarelas os material pele e metal. Confiram:

Nycole é uma marca de menswear fundada pela designer Tânia Nicole. Baseada no Porto, a marca é inspirada pelo universo streetwear e por detalhes do sportswear e do vestuário clássico masculino.

 

Ricardo Andrez, trouxe um desfile lindo para o Moda Lisboa. Faz ao público pensar na forma como a moda está evoluindo. A coleção foi desenvolvida valorizando o comportamento sustentável, mostrando a indústria saturada da moda, onde não pensam em sustentabilidade em suas criações. Pensando em propagar essa conscientização, sua coleção foi produzida com tecidos de stocks em desuso.

Já no desfile de Dino Alves com sua coleção Reação, podemos ver silhueta justa e fluida, austera, overzised, destriod e volumosa. Sua paleta de cores foi do Preto, branco, lilás, amarelo, vermelho, laranja, azuis, roxo, verde, padrões florais, padrão graffiti, riscas e xadrez. Suas peças de sedas, mousselines, crepes, organza de seda, sablé e marrocain com misturas de fibras,  gangas, malhas, viscose, algodão orgânico, denim, brocados, lã e nylons, foram vistas na passarela do Moda Lisboa.
A reação é a expressão artística, a criatividade e o pensamento que transforma a nossa imagem e o nosso estilo numa espécie de panfleto ideológico. Confiram:
Compartilhe

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *